Global Risk Perspectives - Monthly insights on geopolitics, trade & climate

Voltar aos artigos
Rogerio Lemes
22.02.2022

O futuro do varejo e suas perspectivas

Estamos vivendo uma era de transformação e o varejo teve que acelerar sua digitalização desde o início da pandemia no Brasil, em março de 2020.  Com o fechamento de shoppings, decretado inicialmente pelo governador do Estado de São Paulo, bares para consumo nos estabelecimentos, lojas de rua que não estavam enquadradas como serviços essenciais, a classe varejista foi uma das mais atingidas com a chegada da Covid-19 em solo nacional. Para driblar a crise, empresas que já haviam se consolidado no meio digital, intensificaram suas estratégias de venda online e descobriram a grande força do consumidor 4.0. Com a implementação de drive thru, compra via aplicativos, delivery, os anúncios digitais e as campanhas online tiveram um papel importante na economia do país. A vitrine está nas telas e em aplicativos e o consumidor adotou novos critérios de escolha no momento da compra. 

Logo nos primeiros dias de quarentena, ficou evidente que as companhias mais digitalizadas e preparadas para o ambiente virtual destacaram-se em vendas e resultados. Quem não tinha se preparado para atuar nestas plataformas, teve que lidar com prejuízo, estoque parado e, em muitos casos, pedidos de falência. Grandes e-commerces, nacionais e internacionais, mostraram a sua força e conseguiram crescer ainda mais neste período. Marcas que puderam estudar padrões de comportamento na pandemia, usando principalmente Inteligência Artificial, conseguiram ter mais assertividade entre demanda e procura. O resultado foi refletido nos números positivos dos balanços das companhias. O varejo, na sua versão online, mostrou-se um negócio sólido e próspero mesmo em tempos de crise. Mesmo com a volta do novo normal, a tendência do e-commerce deve ser mantida. O consumidor pós-pandemia ainda irá prezar pela comodidade, confiança e rapidez da entrega. Ou seja, temos uma mudança comportamental permanente, acelerada por um vírus que transformou algumas bases estruturais da nossa sociedade atual. 

A tendência é tão sólida que já vemos um crescimento exponencial de estudo e pesquisas sobre o padrão do consumidor digital. Na Alemanha, por exemplo, a startup SO1 observou por meio de IA que as sugestões de compra feita por lojas online geram resultados mais eficientes do que outros modelos de promoção. De acordo com a companhia, ao sugerir uma recomendação de compra para o cliente, com base em gostos, buscas e compras anteriores, os e-commerces podem obter até nove vezes mais aquisições do que se comparado a promoções, independentemente do percentual de desconto. Outros países, como Estados Unidos, já implementaram o uso da ferramenta há quase 10 anos. A rede Super Target, por exemplo, identifica o cliente entrando na loja e, automaticamente, envia por mensagem as melhores vantagens para a compra dos produtos de interesse dele. Outra tecnologia usada pela marca foi a instalação de tablets em carrinhos de compras para sinalizar a posição em que os produtos estão localizados nas prateleiras, otimizando o tempo dos consumidores nos estabelecimentos. 

Nós sabemos que o mundo está cada dia mais globalizado, que os clientes buscam personalização em serviços e produtos e que essa tendência pautará o futuro do varejo mundial. Para entender todas as preferências, as ferramentas digitais, a inteligência artificial e a internet das coisas chegaram para ficar e terão avanços ainda mais significativos. Para ter sucesso, basta saber analisar os dados, criar boas estratégias com planos de ação e seguir sempre estudando como a tecnologia pode contribuir para este setor, na retomada da economia.  

Além de vermos os avanços tecnológicos que nos trazem tantos benefícios, por outro lado também podem nos trazer grandes riscos em relação a privacidade e a segurança das informações contidas nos sistemas de acesso. Nem todas as empresas do varejo contam com um respaldo especializado em seguros contra riscos cibernéticos, por exemplo. Em toda a minha experiência trabalhando com soluções para o varejo, vejo o quão importante é o investimento em empresas especializadas que atuam neste tipo de mercado. Hoje, nós temos a ciência de que a tecnologia nos traz importantes avanços, mas é preciso estar atento em relação ao vazamento de dados, que causam inúmeros transtornos para todo mundo.  




Por Rogerio Lemes, Diretor de Retail da MDS Brasil
Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.Saiba mais

Compreendi
Descubra o mundo MDS